70% dos testes à gripe A na rede pública são negativos

Desde Abril deste ano já foram efectuadas mais de 12 mil análises ao H1N1 no Instituto  Ricardo Jorge. Pico dos pedidos registou-se nas  semanas entre 12 e 25 de Outubro, com cerca de três mil análises. Foram já confirmados 3866 casos.

 

Cerca de 32% das análises laboratoriais efectuados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), desde Abril até ao início de Novembro, por suspeitas de Gripe A, deram resultado positivo. Uma percentagem que corresponde a 3866 casos positivos entre as 12195 análises já efectuadas na rede de laboratórios públicos até ao início deste mês.

 

De acordo com o relatório semanal divulgado pelo INSA, só na semana compreendida entre 26 de Outubro e 1 de Novembro foi pedida pela rede de laboratórios para o diagnóstico da Gripe A a análise a 1234 casos de síndroma gripal. Destes 47% (575 casos) correspondiam a análises positivas para o vírus H1N1.

 

Curiosamente, apesar de nesta semana se terem registado mais 7110 novos casos confirmados e suspeitos de infecção com o H1N1 em Portugal, não foi nestes oito dias que os serviços públicos pediram mais análises.

 

O pico de solicitações para testes ao H1N1 foi atingido nas duas semanas compreendidas entre 12 a 25 de Outubro. Depois de antes se terem registados menos de mil pedidos em cada semana, entre 12 e 18 e de 19 a 25 de Outubro foram solicitados ao INSA mais de 1400 pedidos semanais de análise.

 

Simultaneamente, e em consequência deste aumento do número de pedidos ao INSA, estes foram também os períodos em que, nas análises efectuadas nestes laboratórios, se registaram mais casos positivos de Gripe A. Só entre 19 e 25 de Outubro, das análises efectuadas no INSA cerca de 800 resultaram em casos positivos.

 

O primeiro pico de casos positivos de Gripe A registado em Portugal ocorreu na semana entre 10 e 16 de Agosto. Daí até meados de Setembro, a tendência registada foi de uma queda constante do número de casos positivos.

 

Contudo, desde a semana iniciada a semana de 14 a 20 de Setembro até final de Outubro tem-se registado uma tendência de crescimento dos resultados positivos, com especial incidência na penúltima semana de Outubro.

 

Para José Pereira Miguel, director do Instituto Ricardo Jorge, "a explicação mais verosímil para o aumento do número de pedidos prende-se com o facto de terem começado a existir mais casos de Gripe A entre a comunidade".

 

Associado a este aumento da circulação do vírus, Pereira Miguel aponta outras duas razões. Uma está ligada a um excesso de zelo dos médicos nos pedidos de análises que não eram necessárias. Depois "a própria pres- são das pessoas para que os médicos solicitem as análises, por estarem preocupadas com as notícias que vão sendo conhe- cidas", refere este responsável.

 

Já Saraiva da Cunha, director do Serviço de Doenças Infecciosas dos Hospitais da Universidade de Coimbra, adianta que nesta unidade hospitalar do Centro se notou um "aumento significativo de pedidos de análise na última semana de Outubro e no início de Novembro". "Há muitos mais casos de sintomas gripais, sobretudo entre a comunidade juvenil,", acrescenta este responsável, salientando que "o vírus, na região de Coimbra, está a circular com grande intensidade".

 

Até Novembro registaram-se em Portugal 32 495 casos confirmados e suspeitos de gripe A.

 

In DN

publicado por AEDA às 09:52 link do post | favorito