Saldo da Segurança Social cai 63%

O saldo da Segurança Social encolheu para 467 milhões de euros até Julho, apontando-se uma quebra de 63% em termos de comparação homóloga, avança o Diário de Notícias esta quinta-feira.

 

Com as receitas contributivas praticamente estagnadas e a despesa a subir, a Segurança Social registou de Janeiro a Julho um saldo orçamental de 466,5 milhões de euros, indicam dados de um relatório do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS).

 

Em termos homólogos a quebra é de 63%, a maior desde o início da legislatura, quando o orçamento prevê um decréscimo de 44% para o ano inteiro, observa o artigo.

 

A quebra também é significativa face aos primeiros seis meses do ano. A última informação publicada pela Direcção-Geral do Orçamento, que engloba o primeiro semestre, apontava para um saldo positivo de 1179 milhões de euros. Fonte oficial do Ministério do Trabalho explicou ao jornal que a quebra registada em Julho - que é frequente nesta altura do ano - está relacionada com o pagamento do subsídio de férias aos pensionistas.
 

A justificação não se aplica, porém, à quebra homóloga do saldo, nota o periódico. De Janeiro a Julho, a receita corrente cresceu 2,8%, enquanto a despesa aumentou 10,4% em termos homólogos.

 

Assim, conclui o jornal, o contributo da Segurança Social para o equilíbrio das contas públicas será, por isso, menor do que o que tem sido registado em anos anteriores.
 

 

 

In Diario Digital

publicado por AEDA às 09:46 link do post | favorito